13.4.09

"A vida, éter-na-mente"

Não o que dança firmemente,
este sabe bem onde pousar os pés.
Pois basta que a lua tarde, e já se faz manhã dentro da pele.

Motivemos então agora,
o que de menos limpo e novo há nessas taças,
agora rasas, que antes moldaram o melhor do gole:
suaves paragens de andarilhos.

Gole hirsuto e largo, vasto - tão que o bocal partiu-se em pedacinhos
e foi-se como vão os passarinhos
em cada osso e vértebra aninhar.
São mais que peças que te pregam teus amiguinhos,
pois estas pequenas aves não te negam.
E mesmo tu sem penas, já te ensinam a voar!
Porque é preciso homem!
E impreciso como tudo, mas é preciso - sempre! - No fim saberás!
O rio está sempre a inventar os mares.
E mesmo que te esfarele a face num vôo tonto,
toma, podes tomar como tuas as filigranas deste sol por de mais gasto.
Ainda uma brasa assim quase que morta,
pode bem explodir em fogo um grande pasto.

Basta então amigo,
que te relembre desta ilhota de paixão!
Eis que seja teu único brinde talvez, que propôs a vida.
Mas verdadeiramente!
Nada pode ser mais dúbio que a verdade.
Estuda com tua alma, ela não pesa.
A calma é mãe do desespero, saiba.
Não temos tempo pra tantos mapas.
E quem se perde, há de achar novos caminhos.

Vai!
Estende-se pr´além do corpo.
E com grandes olhos busca teu troco,
mas não o contes enquanto o tomas.

Ali, no final deste reduto cristalífico, expande-te - posso e digo!
Verás teu corpo reduzido
ao corpo comum de qualquer homem.
E talvez, se assim conseguir e puder, faz como eu, chora.
Chora que a vida é mesmo breve,
tal este olor pequeno em cada gole.
A vida é éter e se esfuma leve de vento em popa;
é breve assim como este vinho e evapora.

2 comentários:

isaac disse...

muito lisérgico, este vem mais ao estilo dos mais antigos, acho;

me identifiquei muito com o que o poema propõe, uma espécie de dinâmica do auto-conhecimento, um incentivo ao mover-se.
alguns erros de português, como "dúbil", me esfriaram um pouco - ou me equivoco ?

mas gostei sim, na boa.
abraços elfão

R. Elfe disse...

É a edição da edição da edição...
Nessa de lapidar a gente quase enterra.
Esse dúbil foi na correria, daquelas que os dedos acabam ouvindo apenas voz que sái da boca, não do cérebro. rs

O "cristalífico" foi de propósito, por isso o: - posso e digo!
Arrogâncias a parte, é muito bom ser poeta e ser livre!

abraços!