19.7.09

Da janela


.............................................................................Gravura de Goeldi.

Nesta manhã de novembro,
o céu desaba em cascatas.
Na Praia da Bica os peixes fogem das redes.
Em Viena um casal de namorados
passeia por uma praça bombardeada a décadas atrás.
E eu me pergunto:
pra onde vai a água daquela poça?

Para as raízes do capim,
pros restos de algum cão enterrado?

Quantas chuvas!
Quantos sóis!
Quantos detalhes.

Imersos em problemas,
não nos sobra tempo

pras nuvens,

pros dias,

pra vida.

Novembro de 2002, publicado no libreto Entretanto.

2 comentários:

Rachel Souza disse...

Gostei. "Não nos sobra tempo pras nuvens..." Fato!
Beijo.

isaac disse...

fato inconteste, adore ou deteste. a gravura é linda, o poema é triste.