22.6.10

Trecho do diário sem floreios

Era um tipo que agradava as mulheres, vá entender. Senso de humor que só a elas fazia rir. Frases feitas e bem colocadas, um certo ar dominador de quem diz vem cá puxando pelo braço. Falante, com uma boa dose de falsidade no gargalhar, mas elas não notavam ou fingiam não notar. Paula, Beta e... não me lembro o nome da terceira, só do decote que ofertava aos meus olhos um par de seios, loucos pra fugir das amarras daquele sutiã opressor.
Ele pedia a cerveja como um tirano pede a degola dos seus inimigos, toda vez que o garçom se aproximava era agraciado com uma piadinha que as faziam rir incontrolavelmente. E lá estava eu naquela mesa, recebendo gratuitamente o meu curso de conquistador do grande Don Juan. As três senhoritas logo esqueceram a minha presença. O galã meio malandro, que se achava malandro e meio virou uma espécie de totem, um deus cultuado por olhares apaixonados de servas prontas a atender o mais sórdido dos seus pedidos. E eu ali com minha cara de bunda relegado a mero objeto decorativo, as minhas mais belas colocações não causavam nenhuma reação enquanto ele com suas abobrinhas era reverenciado como um exemplo de sabedoria ocidental. Tenho que confessar o puto sabia como encantar as mulheres.
Pedimos a conta, ele recusou o dinheiro delas, disse que nós dois pagaríamos, um verdadeiro cavalheiro. Sorri felicíssimo, puxei a carteira, uma semana de trabalho gasta em duas horas. Na saída meu grande amigo me dá um abraço caloroso e me deseja uma boa noite, a dona do decote toma um táxi, Paula e Beta dão um tchauzinho sorridente, e o acompanham, uma em cada braço. Conto o que me sobrou no bolso, e tomo o ônibus com destino à Praça da Bandeira.

André Luis Pontes, diário sem floreios, 1997.

Um comentário:

isaac disse...

Puta, broder, excelente texto, o André Pontes tem uma facilidades muito grande nas descrições - como já vimos em outros trechos publicados pelo Vile aqui no Presença - uma andança crua e bêbada pelos becos do Rio, uma narrativa potente, precisa, muito cativante na atmosfera com que narra os acontecimentos, do mais simples aos mais complexos, como a irradiação do garanhão do texto.
Fodão, não como texto isolado, mas dentro do contexto dos outros trechos dele que li aqui.