31.7.10

Um barco cai na noite

...............................................................................Hélio Oiticica

No encontro dos extremos dá-se a dança.

O corpo não quer descanso.

Tudo quer mais.

Dobrando seis esquinas
e as pondo nos bolsos.

Maratona para além dos passos.

Corrida de cavalos cansados
mas indispostos a largar o páreo.

Maio de 2010.

3 comentários:

Vinicius disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Vinicius disse...

Mais um ótimo exemplo da simplicidade que o Galdino põe em alguns poemas e como eles nem por isso perdem, seja no corpo, seja na forma.
Dá a impressão de que, mais do que colocar palavras que ajudem, ele retira todas as que possam atrapalhar.
___________

E sobre a questão dos páreos intermináveis, partiu mais um?

isaac disse...

Podecrer, o poema tem um fôlego tremendo, um tapa de sensações como que coletadas e entregues na "bula" na tua frente, adorei isso.
E o fôlego vem mesmo daí, de ser magro magro, desinvestido do peso desnecessário de maiores explicações. Boa leitura e excelente o visual do Helio!