19.6.08

A quimera que atravessou o céu depois do ocaso

Gravura de Marcello Grassmann


A bruma brilha sob luzes de mercúrio
Esquinas silenciam feito filhos deserdados
O tolo acompanha no assovio o badalo da igreja
Quatro faróis no meio fio
Quatro bêbados sentindo frio

A mulher imita a louca
E dança nua
Ofertando os seios ao luar

Ela diz:
-Vem me amar São Jorge!
(ou seria mamar?)
Traz pra mim o teu dragão
Vem aquecer o meu sono
Me dê tua mão
E descanse tua lança entre minhas coxas.

E tudo passa quando adormeço
E tudo esqueço quando desperto
É vago e estranho o que sinto

A noite foi
Ficou o inverno.

2002.

3 comentários:

FlaM disse...

Puxa, Que lindo Wuilliam! Que bom pode te ler de novo!
Bjs, F.

isaac disse...

o gosto acre (agridoce) do chorume da sarjeta.
chegou a publicar este poema em algum dos 3 livretos, william
a gravura é excepcional
abraços !

william galdino disse...

Não Isaac este não faz parte de nenhum dos livretos. realmenet os trabalhos do Grassmann são fabulosos, noventa porcento do mérito desta postagem vai para ele, rs.