19.7.07

Um só (comotodos)

E foi assim...
Parti de um simples traço vertical
Em direção ao infinito
No sentido contrário do que se é
Subvertendo a ordem da imposta
Rotina onde meu cansado corpo se encosta

Do simples saber que não se é
Aquilo que minha mãe julgava eu ser
O óbvio que o mundo esperava ver
É que tive a grande iluminação
Apenas mais um milho
Apenas mais um grão

E o seu doutor advogado
Policial civil, militar ou o viciado
Exercem cegos suas funções de merda
Esperando que a glória os alcance
Tolos! Ainda não sabem que a morte
É um instantâneo - um rápido lance.

Sorte minha que descobri
Que parte de mim ficou aqui
Nestas linhas simples e sem sentido
Para aqueles que só aprendem com os ouvidos
E nunca sentirão o que senti
Eu sou parte de você e o mundo é de mim.

E envolvi com os braços
Aquela fria coluna de mámore
Como se fosse ela minha irmã.

(Fábio dos Santos)

3 comentários:

isaac disse...

uma intervenção forte. alguns poemas são campeões em descrever certas texturas, comuns a todos.

Heyk disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Heyk disse...

Buenas Fábio,
a gente não se pechou ainda.
mas ó, isso aí:

Sorte minha que descobri
Que parte de mim ficou aqui
Nestas linhas simples e sem sentido
Para aqueles que só aprendem com os ouvidos
E nunca sentirão o que senti

é louco, eu respeito.
É assim e só!
Abraço

heyk@azougue.com.br