17.12.07

Pequeno

Praguejei assim ao vento
Palavras expectoradas e cuspidas
Na cara do santíssimo
Um desalento

E depois aceitado
Em desânimo demasiado
Sentei ao meio-fio
De todo resto destacado

Mas em pouco como deveria
Ser quebrada a monotonia
Ouvi o barulho das ondas do mar
E as aves que a esmo planavam

Então toda praga – o desencanto
Toda água que ao rosto é pranto
Secou-se pois me olhando descobri
Quão pequeno sou – não preciso ter pra onde ir

2 comentários:

xica lima disse...

lindo...
triste...
e só...

Vinicius disse...
Este comentário foi removido pelo autor.