5.12.07

CORRENTEZAS SUJAS - I

Tudo bem mermão! Só não me encosta... - me estico na cadeira de molas espreguiçando um vácuo. Algum facho de pensar vai levar esse troço todo pra longe, eita peso danado! Já me fartei dessas contas. Nenhuma idéia é convincente até que passe gritando ao lado, no barco alheio, de calças-arriadas-mostrando-a-bunda-branca-de-fora, rabiscada em batom um - Foda-se! vermelho. Assim me veio na cara essa idéia do Chile, que me espera de alguma forma, por alguns segundos e dias e horas marchando por sobre ele - sem um tostão é claro - em qualquer uma daquelas bibliotecas antigas cheias de poetas novos mortos com olhos de tigres do Atacama. O caminho é o Chile! Até lá tantas coisas pra ver sem saber que vi ou sem entender pra que arregalar a tanto a vista. No fundo é me perder na américa mais latina que há – cansado des´ser tão latino. Porque latinidade é south mermão, tudo que é sul é pobre, tudo está pra baixo abaixo e debaixo de tudo, como se a bússola tomasse forma do dedo inquisitor de Cristo. Tudo bem mermão, já te falei! - devo parar de beber porque meu fígado resmunga mais que minhas tias juntas falando pelos cotovelos enquanto fumam entre dedos carnívoros e peles de puxar bochechas, um cigarro mata-rato desgraçado, e cospem sobre todas aquelas coisas de tias velhas e resmunguentas. Vou deixar de descascar abacaxis pros outros agora, e abrir minhas próprias portas, e quem sabe não me veja sorrindo pra mim mesmo numa delas, sentado à luz de Nietzsche, cheio de dentes concisos, cheio de pelos louros lindos entre os ricos colares de pedras de mármore do Casaquistão dos livos? Algumas revoluções começam no fígado. A minha tem começado, minha bílis começou a confabular um livro, talvez o novo manifesto, eu chamo de água barrenta. Ainda vivo me traindo, querer a morte por aqui é besteira, já se morre vivendo. E em que arte? A vida agora tem risco de maçã vagabunda, e temos qu´engolir na garganta sequinha. Qualquer coisa eu mudo de canal e fecho os olhos. Mas o Chile... é sim, o Chile ainda é o caminho.

Um comentário:

isaac disse...

um chile febril, kerouackiano, mas nem por isso deve ter jazz tocando por aquelas bandas atacamas... somos sulamericanos!
e independente disso, a estrada é sempre o caminho, além de um caminho ...