20.10.06

Renata Dantas

Conheci a Renata em um carnaval, em São Luís do Paraitinga; na época eu não sabia que ela escrevia - e profissionalmente, tendo inclusive co-escrito um livro sobre a experiência do Araguaia.
Os poucos textos que recebi da Renata recentemente me trouxeram a agradável surpresa, em termos literários, de sua prosa poética ou - como hei de dizer? É literalmente isso, é prosa, mas de períodos curtos, finamente fantasiados com o brilho da poesia.
Os textos, de extensão também curta, são um convite muito prazeroso a uma leitura de pouca dificuldade e grande sabor.

____________________________________________

Soledade

Soledade era a preguiça em pessoa. Morava nos fios de baba do travesseiro. Nas remelas dos olhos. Em boa parte das sujeiras nos banheiros. Conseguia acompanhar cada passo da digestão de uma mosca. Desde a ingestão ao regorgitamento. A paciência era apenas ressaltada pela sua preguiça de viver. Até a vida desistiu dela.

Um dia conheceu Carlitos. Um assaltante latino. De tanta preguiça de reagir aquela cena toda, foi levada como o próprio objeto de furto. Era o vaso mais valioso de Carlitos, aquele que nenhuma flor poderia ocupar. Viveu durante anos naquele ambiente, mais decorando do que se utilizando dele. Até que Carlitos caiu na tentação. Acabou por levar um outro vaso para a varanda. Não durou dois dias. O vaso foi encontrado aberto a machadadas. As mãos de Soledade sangravam. Carlitos viu o amor pela primeira vez e nunca mais esqueceu aquele rosto. Seus olhos caídos, sua boca entreaberta e um corpo de cinquenta e seis quilos dividido ao meio na sala.

Carlitos morreu três anos depois de um assalto mal calculado. Os dias de vaso acabaram para Soledade, que acabou trabalhando num velho cabaré da cidade, cujo nome trazia as iniciais de Eleanor Rigby. "All the lonely people, where do they all come from?". De vasos.

2 comentários:

Renata disse...

Isaac!
Que alegria poder participar do teu blog com um escrito meu, com estrutura tão diferente e que nem chega aos pés da erudição dos que tenho lido aqui. Mas, enfim, viva a diferença, viva a poesia!
Um beijo!

vinicius disse...

Das várias formas de amar sobre as quais já ouvi falar,
essa entrou na lista das mais interessantes.
Traço firme e uma personagem genial. O último parágrafo,
esclarecedor, hehe.

Presença!!