6.8.07

O primeiro último encontro

Quisera ficar mais alguns minutos
Ao leito quente onde sonhava seguro
Quimeras de amores feitos
À língua mole e coração duro

Mas pedregoso céu ainda escuro
Na janela onde ia à passos curtos
Decretou mora ao cobrado juro
À bagunçada cama onde dormiam juntos

Enquanto se realizava a aurora
Que doirava os olhos pequenos e molhados
Vermelhos tristes que tinha à hora
Aumentava-se a distância dos braços dados

Há muito seus atos foram julgados
Revés dos perdões que teve outrora
Punido pela rotina e desleixo conjugados
Refugiados na bebida agora chora

Fora um belo caso
Que quisera a corrente do rio
Terminasse raso
Terminasse frio

Fora apenas uma noite
Navio que desatraca do cais
Não merecia esse adeus - maldito açoite!
Não merecia... um até mais.


(Fábio dos Santos)

Um comentário:

isaac disse...

fala fábio !
porra adorei esta pérola...
"terminasse raso, terminasse frio", impacto certeiro ... fica na boca o gosto exato do adeus.