24.11.06

Drika Duarte

Descobri os versos de Drika Duarte através da leitura de uma revista publicada pelos alunos do departamento de artes da UFRN. Além do papel como suporte para sua poesia, o palco também é morada para seus versos, através do Elegia e seus afluentes, grupo ceno-performático-poético-musical do qual Drika faz parte. O poema Deserto me laçou na primeira leitura, versos derramados numa queda de intensa musicalidade desaguando num deserto onde a consciência do passar do tempo se faz presente.


Deserto

Um espírito irrequieto
Tão tosco que ao cair no poço
Com olhos entreabertos
Encontra o pensamento admiravelmente belo.

Sorri, encantando as flores
Rasteja passos poucos
E pisa na delicadeza murcha
Com pés mortos de cansaço inventado.

Abram as cortinas
Que o fundo é mais lindo
Do que se imagina.

Enquanto consolam-se com meias palavras
Eu reescrevo a mesma velha página.

Busco alcançar a aura que escurece o sentimento.

A dor é não ser do tempo
E saber que ao passar morremos.

Eu deixo um pedaço meu
Cada vez que me derramo em verso,
Encontro o enleio certo:
O momento do fragmentado eu deserto.

Um comentário:

C.S disse...

Sou fã incondicional das poesias de Drika Duarte,o sentimento que ela consegue expressar através da poesia de maneira imensurável,e quando isso se une a música pelo trabalho do Elegia então,torna-se algo mais grandioso ainda! Sublime,sublime,sublime...!

Parabéns pelo blog,e pela divulgação da arte!
Paz e luz!