15.11.06

Pedro Lermann

Conheci a obra de Pedro Lermann através de seu filho, George.
Pedro havia falecido há poucos meses e durante a retirada de suas coisas da casa onde vivia sozinho há alguns anos, foram descobertos dois cadernos que, entre contos, crônicas, poesias e textos filosóficos, têm os registros de mais de duas décadas.

Sob a condição de manter ocultas sua origem e história, por assim dizer, tive a autorização de seu filho para tornar pública a obra.

Sob a égide de um passado questionável - do ponto de vista moral e legal - a escrita de Pedro é dura, apesar de elegante; com um traço carregado nos paradoxos e na livre expressão de suas idéias - talvez decorrentes da decisão de não deixar que seus escritos saíssem da gaveta - o velho derruba alguns dinossauros do pensamento coletivista. Segundo suas próprias palavras: "hipócrita, cínico e nocivo, se de direita; fraco e ganancioso sob a pele de revolucionário, se de esquerda".

Pedro Lermann faleceu aos sete dias de agosto deste ano, aos cinquenta e dois anos.

___________________________________________________

Universalis post res

Estas cores,

que temerárias ousam saltar

e improvisar seu concerto.

Exibem-se.

Cavalgam belos demônios e

subjugam a indiferença.

Primavera!

Triunfa primeira e afasta

meu espírito arriscado.

Que afoito,

encanta-se entorpecido

e dobra-se ao infinito.

(Pedro Lermann – 13 de janeiro 1978).

Um comentário:

isaac disse...

o poema é atemporal, vide data.
hermético... e bonito.
conheceu onde, o george?